Tô na Área: cotas vendidas no começo de carreira, bad beat dolorida na FT do Sunday Million

e choque da família; conheça Rodrigo Barreto


O mineiro revelou a reação da família com a mudança de profissão e seus próximos passos


Postado Átala Souza - www.mundopoker.com.br


O poker definitivamente não está entre as profissões consideradas estáveis por muitos, especialmente quando se trata de sair de um emprego no serviço público para entrar nas mesas do jogo. Foi o que Rodrigo Barreto fez anos atrás e precisou enfrentar a reação da família com a decisão.


“Minha família ficou em choque. Principalmente meus pais, que sempre pregaram para mim e meu irmão a busca por um trabalho estável. Mas eu estava mais preocupado em fazer algo que gostasse e que realmente me motivasse. E nisso tive o apoio de minha esposa, que desde o início acreditou no meu potencial e embarcou comigo nessa jornada”, contou. 


Antes da decisão, o mineiro, que mora no Rio de Janeiro, levava o baralho como algo a mais na sua vida e não a razão dela. “Durante os quase cinco anos que trabalhei nesse cargo, jogava eventualmente. Fiz uma segunda tentativa de faculdade, comecei a cursar Computação, era algo que me proporcionaria um ganho profissional na empresa, mas não estava feliz. No fundo, o poker sempre foi o meu maior interesse. Daí decidi largar o curso, largar o emprego e buscar o sonho que me acompanhava até então, que era buscar a profissionalização no poker”, revelou.


Mas habilidades com o baralho já estavam enraizadas nas veias do Rodrigo desde a adolescência. Quando ainda estava no Ensino Médio aprendeu a jogar 5 Card Draw. Já na faculdade de Matemática, foi apresentado ao famoso Texas Hold’em. A partir daí, começou a jogar cash games e Sit & Go com os amigos, percebendo o quão imenso era o esporte.


“Dividia meu tempo entre os estudos, o poker no diretório acadêmico e o poker online, mas confesso que a maior parte do tempo acabava indo para o poker”, lembra Rodrigo Barreto que confessou ter sido um caçador de freerolls nesta época e ter construído sua primeira banca do zero ao descobrir o esporte no online, sendo um marco para ele.


Vida que segue

“Certamente eu buscaria dedicar mais tempo aos estudos, ao invés de só me preocupar em ‘sentar e jogar’. Fazer uma boa gestão de bankroll também é essencial. Então definitivamente eu buscaria ser mais sensato e jogar apenas num nível em que eu estivesse mais habituado”, Rodrigo Barreto.

Depois das dificuldades e a certeza de que era preciso seguir seu sonho, o profissional diz viver atualmente a fase mais plena da carreira como jogador do esporte da mente tanto que,  recentemente, foi um dos destaques brasileiros na disputa pelo título de campeão do Sunday Million ao lado de Daniel Aziz e Jessi Galvane. Na ocasião, “RodBarreto” terminou no 8º lugar, puxando US$ 11.207.


“Fiquei feliz demais como joguei o torneio. Consegui manter a tranquilidade em momentos críticos, como por exemplo no início do Dia 2, quando eu era um dos últimos dentre os 83 classificados. Todos jogadores sonham com o título do SM, mas chegar na FT foi uma experiência única, definitivamente um sonho realizado. As bads fazem parte do jogo, temos que nos acostumar, mas espero que na próxima FT do SM que eu chegar, eu consiga desviar delas e buscar o título!”, comentou.


A queda de Rodrigo contou com essa bad beat cruel:


Tudo isso sendo resultado da dedicação aos estudos que de 2006 a 2011 não era algo levado com disciplina na rotina de Rodrigo. “Hoje em dia, tudo mudou. Durante a semana tenho pelo menos duas aulas com meus backers, assisto as reprises dessas aulas assim que são lançadas para assimilar melhor o conteúdo e as correções que preciso fazer. Para mim, hoje é crucial fazer simulações antes do grind ou rever as mãos marcadas ao final, já buscar essa correção dos erros no mesmo dia é o que tem me possibilitado evoluir mais rapidamente”, disse.


Aliás, olhando para o passado, o ex-servidor público fala o que faria de diferente se pudesse dar um conselho a si mesmo quando estava dando seus primeiros passos no poker. “Certamente eu buscaria dedicar mais tempo aos estudos, ao invés de só me preocupar em ‘sentar e jogar’. Fazer uma boa gestão de bankroll também é essencial. Então definitivamente eu buscaria ser mais sensato e jogar apenas num nível em que eu estivesse mais habituado”, falou.


Big hit e inspirações



Mas, apesar do resultado no Sunday Million, existe um outro torneio muito especial para Rodrigo Barreto que, inclusive, é o seu big hit até o momento. Tudo aconteceu em 2010 quando ainda insistia em garantir sua maior premiação e decidiu investir na cavalagem para encurtar o caminho.


“Eis que surge o LACOOP, uma série que seria exclusiva para jogadores da América Latina e eu resolvi lançar minha primeira cavalagem. Foi uma experiência surreal, principalmente porque surgiram loucos como eu na época que apoiaram o projeto de colocar um jogador de microstakes para jogar todos os torneios da série, incluindo um Main Event de US$ 215”, comentou o player que levou um pouco mais de US$ 14.000 para casa.


A “loucura” do player mineiro-carioca acabou dando resultados. “Foi demais, ao final da cavalagem as cotas de US$ 5 passaram a valer US$ 81!”, contou. E não para por aí: “a experiência foi sensacional e ter o apoio de todos e toda a energia que canalizaram na torcida possibilitou um resultado incrível, que até hoje é meu maior hit, com a segunda colocação no ME. O fórum ficou em festa!!”, falou.


Se naquela época foi assim, imagina como foi para os colegas do Samba Team quando viu um dos seus membros na final do Sunday Millions do PokerStars, né? Afinal, “RodBarreto” está na divisão Hop do time há quase três anos e diz ter evoluído bastante profissionalmente e pessoalmente.


“Ter contato com jogadores mais experientes é perfeito, não consigo enxergar um cenário melhor para quem quer evoluir no jogo. São jogadores que passaram pelo mesmo processo e que têm muito a acrescentar, todos querendo evoluir e torcendo pela evolução dos demais”, disse.


Tanto que uma das metas do Rodrigo é ser tão bom como eles e agregar mais valor ao time. Enquanto isso, o profissional pretende continuar evoluindo com uma base sólida e consistente para quem sabe chegar no time principal do Samba.


“O que eu tenho hoje só foi possível graças à oportunidade que o Samba me deu de entrar para uma de suas divisões de base. Agradeço muito ao time. E agradeço, definitivamente, a minha esposa Luana, que me apoiou incondicionalmente quando tomei a decisão de me dedicar exclusivamente ao poker, e que suportou tantos momentos difíceis para eu estar onde estou”, revelou.


O Tô na Área deste domingo fica por aqui com essa história incrível do Rodrigo Barreto para inspirar aqueles que estão no início da carreira no poker, e para quem também ficou curioso em saber quem era o outro brasileiro finalista do Sunday Millions. Aproveitem e guardem o nome do mineiro e o nick porque ele promete nunca mais sair das notícias do poker mundial. Até mais!


2 visualizações
  • Facebook Social Icon
  • Instagram

© 2020 The Deck Poker Club. Todos os direitos reservados.

The Deck Poker Club - CNPJ: 20.222.226/0001-44

Rua Dr. Delfim Rennó Moreira, 110 - Jardim Santo Antônio

Santa Rita do Sapucaí, MG, CEP 37540-000

O The Deck Poker Club reserva-se no direito de cancelar, suspender ou modificar a qualquer momento, sem aviso prévio ou qualquer outra condição, conteúdos, eventos, programações e promoções apresentados no site.

WPPCALOPSITA.png